sexta-feira, 23 de abril de 2010

Passarinho quando voa, as vezes volta...


Li uma postagem da Chica que me tocou tanto, por traduzir meu sentimento atual.
A gente vai levando a vida, estudos, trabalho, que nem se dá conta das pessoas que passaram por nossas vidas e que já se foram, por morte ou por circunstâncias da vida mesmo: casamento, filhos etc.
Minha avó materna veio do Japão praticamente sozinha, aos 17 anos de idade, fugindo da guerra. Casou-se lá no Japão com meu avô, que ela mal conhecia. E assim duas "crianças" vieram para o Brasil, tentar uma vida longe das guerras. Mas qual batalha interna não travaram em silêncio? Sem falar o portugues, com costumes totalmente diferentes, convivendo com estranhos e longe da familia, sem ter como desabafar...Quanto sofrimento minha pobre obatchan passou...Hoje só consigo imaginar isso.
Quando era criança ouvia essas histórias, mas não compreendia a dimensão dos fatos. Digo que hoje apenas imagino porque me mudei pra outro Estado há pouco mais de 5 meses, e sinto falta das reuniões com minha família, das ruas que sempre passei por quase 40 anos, dos lugares que costumava frequentar, do bairro aonde morava...me arrependo de não ter conseguido reunir mais as pessoas enquanto elas estavam neste plano...então esse sofrimento não chega nem aos pés do sofrimento daquela época. Hoje temos aviões comerciais a toda hora, internet, telefone, fax, tudo que diminue a distância. Naquela época eram apenas cartas, que demoravam meses pra chegar no seu destino. Sinto falta do porto seguro, da estabilidade que ainda não consegui obter. Gosto de mudar, mas gosto mais ainda de voltar. De repente caiu a ficha que o tempo tem passado rápido demais e que todas as pessoas que mais amo nesta vida são bem mais velhas do que eu. Já basta ter perdido uma avó que era muito mais do que uma avó, era mãe, um anjo que cuidou de mim e que graças a ela tenho as melhores lembranças da minha infância.
Me mudei com a ilusão de que aqui teria mais qualidade de vida, mas uma parte da minha vida ficou lá. Aqui temos praia, sol...mas a familia ficou la ! Minhas lembranças estão lá ! E tenho sentido muita falta dessas coisas. Quero voltar pra casa!
Meu pai costuma dizer que "da vida, a gente só leva a vida que a gente leva". Apesar dele se preocupar tanto com os bens materiais como forma de segurança, ele também sabe que ela não nos adiantará quando partirmos. E porque medimos o sucesso de alguem pela conta bancária? Esse assunto fica pra outra postagem, hoje só quero curtir minha saudade e pensar numa forma de poder regressar.

2 comentários:

  1. Fico muito feliz em ter sido citada e em ter contribuido para essa linda reflexão tua e tão profunda. Essas saudades dóem mesmo. Ficou lindo e estou mandando para meu filho ler tam,bém.

    Um beijo, boas decisões por aí e um lindo domingo!chica

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Chica, tomara q o desejo de tds de "estar junto" se concretize, pra tds nós. Bjs, Mi

    ResponderExcluir